Há alguns dias foi lançada pelo Ministério da Saúde a campanha de imunização nacional contra a influenza (gripe). Mais de 54 milhões de doses da vacina estão sendo disponibilizadas aos estados e municípios para garantir a vacinação de cerca de 49,7 milhões de pessoas.

 

Receberá a vacina quem faz parte do grupo prioritário, ou seja, parte da população que tem maior risco de desenvolver complicações causadas pela doença, como crianças de seis meses a menores de cinco anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores da saúde; povos indígenas; gestantes; puérperas (mulheres até 45 dias após o parto); população privada de liberdade; e os funcionários do sistema prisional.

 

A vacina, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, protegerá a população contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A meta é garantir a vacinação de 80% do público-alvo, 39,7 milhões de pessoas, até o fim da campanha, em 22 de maio.

 

A vacina contra influenza é segura e uma das medidas mais eficazes de prevenção a complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

 

Quem for receber a vacina contra a gripe precisa ficar 48 horas sem doar sangue. A recomendação é do Ministério da Saúde, portaria 2.712/2013, e tem por objetivo evitar a possibilidade de resultados falso-positivos nos testes laboratoriais e da convocação de coleta de nova amostra para a repetição de testes. É recomendado que os doadores façam a doação antes da aplicação da dose.

 

Fonte: Ministério da Saúde

Há alguns dias foi lançada pelo Ministério da Saúde a campanha de imunização nacional contra a influenza (gripe). Mais de 54 milhões de doses da vacina estão sendo disponibilizadas aos estados e municípios para garantir a vacinação de cerca de 49,7 milhões de pessoas.

 

Receberá a vacina quem faz parte do grupo prioritário, ou seja, parte da população que tem maior risco de desenvolver complicações causadas pela doença, como crianças de seis meses a menores de cinco anos; pessoas com 60 anos ou mais; trabalhadores da saúde; povos indígenas; gestantes; puérperas (mulheres até 45 dias após o parto); população privada de liberdade; e os funcionários do sistema prisional.

 

A vacina, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, protegerá a população contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para este ano (A/H1N1; A/H3N2 e influenza B). A meta é garantir a vacinação de 80% do público-alvo, 39,7 milhões de pessoas, até o fim da campanha, em 22 de maio.

 

A vacina contra influenza é segura e uma das medidas mais eficazes de prevenção a complicações e casos graves de gripe. Estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% e 45% o número de hospitalizações por pneumonias e de 39% a 75% a mortalidade por complicações da influenza.

 

Quem for receber a vacina contra a gripe precisa ficar 48 horas sem doar sangue. A recomendação é do Ministério da Saúde, portaria 2.712/2013, e tem por objetivo evitar a possibilidade de resultados falso-positivos nos testes laboratoriais e da convocação de coleta de nova amostra para a repetição de testes. É recomendado que os doadores façam a doação antes da aplicação da dose.

 

Fonte: Ministério da Saúde