Carboidrato faz bem à saúde

É bastante comum na busca pelo corpo perfeito, homens e mulheres se submeterem a dietas restritivas para emagrecer. Entre as principais capas de revistas e sites de beleza do país há sempre uma celebridade dizendo que perdeu peso porque deixou de comer carboidrato, por exemplo. Porém, é importante desassociar a ideia de que a alimentação equilibrada e que faz bem para o organismo impõe restrições a alguns grupos de alimentos.

O carboidrato é um nutriente presente no grupo dos alimentos energéticos, ou seja, gera a energia que o corpo precisa para funcionar bem. Com a falta desse alimento, o corpo começa a buscar caminhos alternativos para suprir essa deficiência. O problema é que a primeira opção dessa busca será retirar a energia de outros nutrientes, como as proteínas que estão no organismo para construir e regenerar os músculos dos desgastes do dia a dia. Sem o carboidrato, é possível ganhar energia com a proteína, mas a musculatura poderá ser prejudicada.

O cérebro também sofre com a falta de carboidrato. Isso porque esse nutriente estimula a energia vital do sistema nervoso central.

Aquela vontade desesperada de comer doces, por exemplo, é um sinal do cérebro alertando pela falta de carboidratos.

Se há, por alguma razão, a necessidade da retirada do carboidrato em um tratamento médico, o paciente deve ser acompanhado e monitorado pelo nutricionista e por uma equipe médica para que a saúde não seja comprometida. “Deverão ser analisados os sinais e sintomas apresentados pelo paciente durante o período de restrição, lembrando que este procedimento não pode ser por longo período de tempo, pois a carência destes nutrientes pode causar danos para o corpo”, explica o nutricionista Rômulo Timo Gomes.

Macarrão e pão são alimentos que vem à mente quando se fala em carboidrato. Mas nesse grupo alimentar também estão as frutas, como o abacate, o morango e o limão, e ainda outros vegetais como as batatas inglesa, baroa e doce, mandioca, inhame, além do arroz, carnes entre outros.

Mito ou Verdade

Carboidrato engorda? A melhor resposta é depende. “Depende de quem vai consumir, qual o tipo de carboidrato, qual quantidade, o que vem junto a esse carboidrato e o qual o horário de consumo. É importante que as pessoas saibam que temos que ter equilíbrio e qualidade no que ingerimos”, explica o nutricionista.

A tapioca, que faz parte do grupo de carboidratos e da cultura brasileira, é um alimento nutritivo. Mas se for consumido de forma inadequada, pode trazer malefícios para a saúde. “Se a pessoa consome a tapioca com manteiga, leite condensado, chocolate, requeijão, queijo... esses alimentos combinados vão gerar um pico na glicemia e na insulina facilitando a formação de gorduras e trazendo problemas para a saúde”, detalha o nutricionista. Isso quer dizer que a tapioca está fora do cardápio do brasileiro? “De jeito nenhum. Consuma uma tapioca com semente de abobora e passe o azeite extra virgem para deixar mais molhadinha,  com uma banana prata com canela ou  ovo cozido. Escolhas saudáveis vão manter os níveis de glicemia em patamares normais trazendo equilíbrio no consumo”, esclarece.

Consumo Saudável dos Alimentos

Falar de consumo saudável é um desafio já que muitas pessoas associam às dietas restritas. Para o nutricionista adotar medidas simples no dia a dia já podem acrescentar muito a saúde e fugir de erros comuns como os citados com a tapioca. “Consuma 5 a 6 porções de frutas ao dia, ter uma ingestão adequada de água e consuma alimentos de todos os grupos em suas quantidades necessárias. Se tiver dúvida, consulte um profissional de saúde para te ajudar”, recomenda nutricionista Rômulo Timo Gomes. Para que fique mais fácil o entendimento, o nutricionista orienta consumir mais vezes no dia aqueles alimentos que estragam, ou seja, comer comida de verdade, aquilo que podemos encontrar na natureza.

Orientação do Ministério da Saúde

O Guia Alimentar para a População Brasileira é uma publicação do Ministério da Saúde que ajuda a orientar as famílias a optarem por refeições caseiras e evitarem a alimentação fast food. Entre as dicas práticas para uma Alimentação Adequada e Saudável estão:

- Utilizar óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias;

- Comer com regularidade e atenção, em ambientes apropriados e, sempre que possível, com companhia;

- Fazer compras em locais que ofertem variedades de alimentos in natura ou minimamente processados;

- Planejar o uso do tempo para dar à alimentação o espaço que ela merece;

- Dar preferência, quando fora de casa, a locais que servem refeições feitas na hora;

- Ser crítico quanto a informações, orientações e mensagens sobre alimentação veiculadas em propagandas comerciais.

Para entender a diferença entre alimentos in natura (naturais), minimamente processados e ultraprocessados, citados Guia Alimentar, confira alguns exemplos:

Alimentos in natura: Banana, tomate, abóbora batata e caju.

Minimamente Processados: Feijão, arroz, farinha de mandioca, sucos de caju, carnes e pescados frescos.

Alimentos Processados: Carne seca, pães feitos farinha de trigo, queijos, frutas cristalizadas.

Ultraprocessados: Biscoitos recheados, salgadinhos, refrigerantes, macarrão instantâneo e cereais açucarados.

Fonte: Gabi Kopko, para o Blog da Saúde